Clínica de Cirurgia Plástica BH

Lipoaspiração/ Lipoescultura

lipo1

A lipoescultura nada mais é que um termo difundido pela mídia que caracteriza a mesma lipoaspiração, porém com a utilização da gordura aspirada para preenchimentos de alguma depressão corporal ou aumento de volumes corporais como a região do glúteo (lipoenxertia).

Obviamente não é um tratamento de obesidade, devendo ser encarado como uma cirurgia de melhoria do contorno corporal.

Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de gordura, no máximo 5% do peso corporal ideal, poderá haver uma redução no peso, que varia de acordo com a retirada do volume corporal de cada paciente. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que cada área determinada mantém com o restante do corpo.

As cicatrizes da Lipo

As cicatrizes da lipoaspiração correspondem a pequenos cortes de 5 a 10 mm. Geralmente, estão localizadas em lugares discretos, em pontos estratégicos planejados para estarem disfarçadas em sulcos, dobras, relevos naturais ou em áreas normalmente cobertas por calcinha e sutiã ou biquíni.

Indicações de lipoaspiração

Esta técnica pode ser utilizada em regiões corporais que apresentem acúmulo localizado de gordura. Entretanto, há limitações técnicas e anatômicas como toda cirurgia estética. A lipoaspiração não vai corrigir flacidez de pele ou da musculatura local. Assim, a remoção do excesso de gordura poderá acentuar a flacidez, já que a pele (com sua elasticidade prejudicada) ficará sem uma boa sustentação. Converse na consulta com seu médico para saber se seu caso seria de lipoaspiração ou dermolipectomia (retirada cirúrgica de pele e gordura).

Nos casos de indicação de lipoaspiração pura, não deverá haver acentuada flacidez de pele, mas somente excesso de gordura localizada em uma região com boa elasticidade da pele.

Não há limitações de idade para esta cirurgia se o paciente estiver em boas condições clínicas e com boas condições de elasticidade de pele, sem muita flacidez. Entretanto, mesmo nestes casos de flacidez, a lipoaspiração pode ser considerada se associada a outros procedimentos. Assim, ou a “lipo” será complementada por uma remoção de pele flácida ou o paciente deverá aceitar a possibilidade de ficar com um grau mais acentuado de flacidez naquela região, com possíveis irregularidades de superfície.

Grandes lipoaspirações são procedimentos passíveis de maiores riscos operatórios e devem ser desaconselhados. Em certos casos é preferível indicar o tratamento dividido em etapas, pensando em maior segurança para o(a) paciente.

A “lipo” pode ser associada a outras cirurgias, dependendo das suas dimensões e da particularidade de cada caso. Isto será esclarecido pelo seu cirurgião, ponderando as expectativas e as possibilidades técnicas.

Obesidade

A lipoaspiração não é considerada um tratamento para obesidade, muito menos para emagrecimento. O principal objetivo da cirurgia é melhorar o contorno corporal e não a eliminação de peso.

Riscos da cirurgia

O médico deve conversar com o paciente antes de submetê-lo à cirurgia e informar os possíveis riscos da lipoaspiração. Veja quais são:

Irregularidades

Cicatrizes patológicas

Sangramento ativo

– Hematoma

– Equimoses

Acúmulo de líquido no subcutâneo (seroma)

Riscos anestésicos

Necrose da pele,

Dormência ou demais alterações de sensibilidade da pele.

Despigmentação da pele e/ou inchaço prolongado,

Dor

Trombose venosa profunda, complicações cardíacas e pulmonares.

As perfurações de órgãos são raras e quase nunca ocorrem em procedimentos feitos por cirurgiões plásticos.

Orientações Pré-Operatórias

Deve-se evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 30 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.

Não usar substâncias tóxicas ou drogas nas duas semanas antecedentes a cirurgia.

Não fumar nos 30 dias que antecedem a cirurgia e nas duas semanas de pós-operatório, pois poderá haver retardo da cicatrização.

A menstruação não é impedimento, mas convém programar a cirurgia fora do período menstrual.

Jejum de 08h antecedendo a cirurgia (inclui água também) – apenas tomar medicações de uso habitual, com o mínimo de água possível.

Não realizar depilação ou raspar pêlos do corpo se forem próximos à área que vai ser operada.

Não chegar com cabelo molhado no dia da internação

Trazer para internação TODOS exames e avaliações realizadas

Trazer receita médica ou a caixa dos medicamentos em uso

Não ingerir álcool por 5 dias antes da cirurgia

Não tomar sol intenso 14 dias antes da cirurgia

Lavar bem dentro do umbigo 1 (um) dia antes da cirurgia

Parar de fumar 30 dias ates da cirurgia e se não parou: AVISAR O MÉDICO.

Suspender medicações: Ácido Acetilsalicílico, o AAS, que é comercializado pelo nome de Aspirina, Bufferin,  ou qualquer outro que o contenha na sua composição, no período de 7 a 10  dias antes da cirurgia, assim como ticlopidina ou clopidogrel.

Suspender anticoagulantes naturais, Ginkgo Biloba, assim como orais (marcumar, marevan).

Suspender medicamentos para emagrecer e moderadores de apetite, como: anfetaminas, sibutramina, etc.

A paciente precisa deixar bem claro na consulta antes da cirurgia se toma qualquer tipo de antidepressivo, para avaliar a necessidade de suspensão ou não desta medicação antes da cirurgia.

Não passar NENHUMA maquiagem no dia da cirurgia.

Retirar esmalte e base, dentaduras, aliança, anéis, brincos, piercing,  pulseiras ou outros adornos

Trazer produtos de higiene pessoal para internação: escova de dente, toalha, chinelos, shampoo

No caso de dúvidas, a paciente deve entrar em contato com seu médico o qual  estará a disposição para esclarecimentos neste período pré-operatório.

Deve-se aproveitar para esclarecer dúvidas quanto aos riscos, complicações, medicações e tratamentos complementares pós-cirurgia, como drenagem linfática e tratamento de cicatrizes. Sugerimos que a paciente obtenha o maior conhecimento possível acerca de sua cirurgia neste período.

 

Cigarro

O ideal é interromper o hábito de fumar por 1 a 2 meses antes da cirurgia e após a cirurgia não retornar ao habito de fumar. Podemos te ajudar nesta tarefa.

As pessoas que são tabagistas deverão tomar uma injeção anticoagulante (enoxeparina) após a cirurgia.

Caso não consiga parar de fumar no pré-operatorio avise a equipe médica pois cuidados especiais deverão ser tomados se a cirurgia for liberada.  Além disso, o cigarro pode interferir na recuperação da cicatriz, portanto, o ideal é evitar.

A cirurgia

A anestesia pode ser geral ou peridural com sedação.

A cirurgia da lipoaspiração consiste na introdução de cânulas (tubo fino) através de pequenas incisões sob a pele, de 0,5 centímetros. O procedimento pode durar em média de 30 minutos a 4 horas. Uma solução líquida estéril de soro fisiológico e adrenalina é infundida para reduzir o sangramento. Logo em seguida, a cânula é inserida por meio de uma incisão para aspirar a gordura, as cânulas podem ser de diversos calibres e formatos, a gordura é aspirada, dando o contorno programado. A gordura é aspirada para fora do corpo através de um aspirador cirúrgico ou seringa ligada à cânula.

A área operada será comprimida por modeladores elásticos ou faixas compressivas, cujos modelos vão variar de acordo com a região tratada. Esta compressão é extremamente importante para o controle do edema (inchaço) e remodelação corporal, somente sendo retirada para o banho na fase inicial do pós-operatório.

É importante seguir todas as recomendações médicas no pós-operatório, uma vez que o tratamento não se encerra com o fim do ato cirúrgico.

Além disso, a falta de cuidados nesse período pode causar problemas na cicatrização, infecções, fibroses, depressão, irregularidades  e aderências.

Orientações pós-operatórias

Pode haver nos 3 primeiros dias extravasamento de um líquido serosanguinolento (avermelhado) da incisão. Este acontecimento é considerado habitual após este tipo de cirurgia, desde que em moderado volume.

A paciente, ao levantar-se da cama ou durante o banho, poderá apresentar tontura e até desmaio. Neste caso não é aconselhável levantar-se ou tomar banho sozinha nos 2 primeiros dias. Sempre que for se levantar, aguardar uns 5 minutos sentada antes de se levantar e andar. Em geral as tonturas e até o desmaio desaparecem em alguns minutos;

O banho, nos primeiros 2 dias, poderá ser no chuveiro, sentada em cadeira de plástico, com auxílio, para evitar tonturas ou quedas;

Após a alta, a alimentação deverá ser inicialmente leve, normalizando-se progressivamente até o segundo ou terceiro dia de cirurgia;

Juntamente com a troca de curativo, deve ser feita higienização das suturas (pontos) com água e sabonete neutro;

Não há necessidade de troca dos curativos em casa nas primeiras 48h. Deve-se somente secá-los com toalha ou secador morno/frio, a 20 cm de distância da pele, para evitar queimaduras

Após 48h o curativo deve ser feito conforme orientação do médico na alta;

A paciente deverá usar a cinta pelo período mínimo de 1 mês: não é necessário usá-la durante o período noturno após 20 dias;

Não há necessidade de se verificar o peso corpóreo nos primeiros 30 dias do pós-operatório, pois poderá haverá ganho de peso pelo inchaço da cirurgia;

No pós-operatório é possível que o púbis, a vulva e até o períneo fiquem inchados e roxos em decorrência da descida do líquido da lipoaspiração do abdome. Nestes casos aconselhamos a retirada da cinta por um dia para que ocorra melhora;

Os hematomas e inchaços são esperados e irão desaparecer, em grande parte, até 45 dias de pós-operatório;

A dor irá regredir progressivamente no decorrer de, em média, uma semana. Porém, pode persistir uma dor fraca a moderada até 6 meses após a cirurgia.

Drenagem linfática pós-operatória é recomendada para regressão do inchaço pós-operatório com maior rapidez. Pode ser iniciada a partir do quarto dia de pós-operatório, quando a dor não dificultar este tipo de massagem.

Os pontos serão retirados por etapas nas consultas de retorno. Os drenos serão retirados, via de regra, no Hospital.

A paciente poderá dirigir automóvel após a 3ª semana e fazer ginástica/esforço físico após a 1 mês e meio, devendo evitar a exposição das cicatrizes ao sol pelo menos até o 3º mês de pós-operatório.

É comum acumular líquido na região lombar (seroma) que pode ser puncionado com agulha no consultório ou hospital conforme indicação médica.

Repouso

Após a alta do hospital, o paciente deve permanecer em repouso relativo durante três dias em casa, mas não há necessidade de ficar deitado o tempo todo. É importante fazer pequenas caminhadas em casa para evitar complicações e pode haver um extravasamento de líquido serosanguinolento (avermelhado) da incisão, o que é considerado habitual. O banho deve ser feito nos dois primeiros dias com o paciente sentado sob o chuveiro para evitar tonturas ou quedas.

Alimentação

No primeiro e segundo dia a alimentação o paciente deve fazer alimentação leve, progredindo para o normal a partir do segundo ou terceiro dia. A alimentação deve ser saudável, tomando cuidado para não engordar novamente. Recomenda-se o consumo frutas, verduras, legumes, vitaminas e ferro para ajudar na recuperação da perda de sangue.