Clínica ProPlastica

Mastopexia

mastopexia1

A Mastopexia ou cirurgia para corrigir a queda da mama, também chamada de lifting mamário, visa subir a mama, reduzir e reposicionar os mamilos com pequena ou nenhuma redução de volume mamário.

Indicações

Esta cirurgia está indicada nos casos de mamas de volume normal, mas que já apresentam queda após amamentação, variação de peso ou efeito da própria idade e gravidade.

Quando operar

As mastoplastias estéticas podem ser realizadas a partir do completo desenvolvimento das mamas, o que consideramos ocorrer aos18 anos. Geralmente observamos pacientes com mais idade querendo fazer este procedimento, mas dependendo da genética e da variação de peso, mesmo as jovens podem recorrer a esta cirurgia. Ao considerarmos o período de lactação, recomendamos aguardar pelo menos 6 meses após interrompê-lo para programar sua cirurgia.

Amamentação após a cirurgia

Lactação e sensibilidade são mantidas desde que estas condições já existam antes da cirurgia. As técnicas utilizadas mantêm glândula e ductos mamários disponíveis para amamentação.

Logo após a operação pode haver uma diminuição da sensibilidade que aos poucos irá retornando ao normal. Obviamente que nos casos de ablação (retirada) da glândula mamária para tratamento de uma doença benigna ou maligna ou ainda nas grandes ressecções (chamadas gigantomastias) prévias, estas funções podem estar comprometidas.

Posso ficar com as mamas diferentes após a cirurgia?

É extremamente importante ressaltar que as assimetrias mamárias são muito frequentes, podendo ser decorrentes do formato assimétrico das mamas ou do tórax (em geral alterações congênitas). Quase todas as mulheres já possuem uma mama diferente da outra. Assim, podemos dizer que a simetria milimétrica das mamas nem sempre pode ser alcançada pela cirurgia, mas procuramos sempre deixar o mais simétrico POSSÍVEL..

 As cicatrizes

As cicatrizes das mastopexias geralmente são em “T” invertido. Em alguns casos pode ficar só vertical e periareolar.

Cada técnica tem sua indicação apropriada e, para alcançar forma e tamanho desejados, será indicada a técnica que deixará as melhores e menores cicatrizes possíveis para cada caso.

As cicatrizes, se bem tratadas, podem ficar bem discretas, o que inevitavelmente dependerá de sua genética.A tendência –  e nosso objetivo – é que fiquem com o aspecto de uma linha de tonalidade pouco diferente da pele e localizadas em áreas que possam ser encobertas pelas vestes de banho e roupas íntimas. Entretanto, o resultado final vai depender da reação de cada organismo.

Menos frequentemente, pode ocorrer o inverso e as cicatrizes sofrerem um alargamento, ou tornarem-se grossas, altas e duras, formando quelóides. Estes estão relacionados à qualidade da pele e à genética da paciente, não decorrendo do modo como foi realizada a cirurgia. Se ocorrerem, seu médico lhe dará toda a orientação e tratamento adequados, indicando, quando pertinente, uma cirurgia oportuna.

Orientações Pré-Operatórias

Deve-se evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 30 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.

Não usar substâncias tóxicas ou drogas nas duas semanas antecedentes a cirurgia.

Não fumar nos 30 dias que antecedem a cirurgia e nas duas semanas de pós-operatório, pois poderá haver retardo da cicatrização.

A menstruação não é impedimento, mas convém programar a cirurgia fora do período menstrual.Jejum de 08h antecedendo a cirurgia (inclui água também) – apenas tomar medicações de uso habitual, com o mínimo de água possível.

Não realizar depilação ou raspar pêlos do corpo se forem próximos à área que vai ser operada.

Não chegar com cabelo molhado no dia da internação

Trazer para internação TODOS exames e avaliações realizadas

Trazer receita médica ou a caixa dos medicamentos em uso

Não ingerir álcool por 5 dias antes da cirurgia

Não tomar sol intenso 14 dias antes da cirurgia

Lavar bem dentro do umbigo 1 (um) dia antes da cirurgia

Parar de fumar 30 dias ates da cirurgia e se não parou: AVISAR O MÉDICO.

Suspender medicações: Ácido Acetilsalicílico, o AAS, que é comercializado pelo nome de Aspirina, Bufferin,  ou qualquer outro que o contenha na sua composição, no período de 7 a 10  dias antes da cirurgia, assim como ticlopidina ou clopidogrel.

Suspender anticoagulantes naturais, Ginkgo Biloba, assim como orais (marcumar, marevan).

Suspender medicamentos para emagrecer e moderadores de apetite, como: anfetaminas, sibutramina, etc.

A paciente precisa deixar bem claro na consulta antes da cirurgia se toma qualquer tipo de antidepressivo, para avaliar a necessidade de suspensão ou não desta medicação antes da cirurgia.

Não passar NENHUMA maquiagem no dia da cirurgia.

Retirar esmalte e base, dentaduras, aliança, anéis, brincos, piercing,  pulseiras ou outros adornos

Trazer produtos de higiene pessoal para internação: escova de dente, toalha, chinelos, shampoo

No caso de dúvidas, a paciente deve entrar em contato com seu médico o qual  estará a disposição para esclarecimentos neste período pré-operatório.

Deve-se aproveitar para esclarecer dúvidas quanto aos riscos, complicações, medicações e tratamentos complementares pós-cirurgia, como drenagem linfática e tratamento de cicatrizes. Sugerimos que a paciente obtenha o maior conhecimento possível acerca de sua cirurgia neste período.

 A cirurgia

A cirurgia pode ser realizada ambulatorialmente, ou seja, podendo ter alta hospitalar no mesmo dia da operação. O ato dura cerca de 3 horas.

Pode ser usada outra anestesia, dependendo da avaliação do caso pela equipe cirúrgico-anestésica. Tudo isto será conversado com a paciente antes da cirurgia, ponderando-se todos os aspectos.

O curativo é feito de forma a ajudar na modelagem das mamas devendo ser sobreposto por um soutien adequado. Somente autorizamos a retirada do soutien para o banho.

Toda e qualquer anormalidade encontrada durante a cirurgia como cistos ou nódulos serão encaminhados para exame específico, assim como também serão examinadas as peças cirúrgicas removidas nas cirurgias redutoras ou modeladoras. Os custos destes exames são de responsabilidade da paciente, devendo ser acertados diretamente no hospital ou laboratório responsável pela execução, ou pelo convenio/seguro saúde, se for o caso.

Indicações pós-operatórias

Qualquer dúvida não encontrada nestas orientações, entre em contato com seu médico.

Neste período inicial após a cirurgia, o aspecto da mama não corresponde ao resultado final. É necessário aguardar um período que varia de 2 a 6 meses até o desaparecimento completo do inchaço e ocorrer a acomodação da pele.

No pós-operatório faça sua alimentação habitual/normal;

Procurar manter-se em repouso com a cabeceira da cama elevada (por exemplo, com dois travesseiros) e não levantar-se bruscamente, sem auxílio, para evitar tontura.

É preferível tomar banho sentada em uma cadeira de plástico nos 2 (dois) primeiros dias após a cirurgia, para evitar quedas.

Em caso de dor, utilizar analgésico, conforme receita; caso haja febre ou dor refrataria aos analgésicos entre em contato com seu medico ou vá até o hospital.

Os curativos poderão ser molhados durante o banho e a seguir secados com uma toalha e um secador de cabelos morno/frio, a 20cm de distância, para evitar queimaduras;

Os pontos serão retirados por etapas, no consultório. Os drenos serão retirados em uma das consultas, quando for mais seguro para o paciente.

Deve-se evitar a elevação do braço acima dos ombros, para não fazer tração sobre a mama, por 15 dias;

As cicatrizes dos cortes podem ter aspecto róseo ou levemente avermelhado nos primeiros 6 meses, clareando e adquirindo a cor próxima a cor prévia da pele antes da cirurgia;

Usar roupas que sejam fáceis de vestir, de preferência abotoadas na frente;

A paciente poderá dirigir automóvel entre a 3ª semana e fazer ginástica após 1 mês e meio.

Aplicar 4 vezes ao dia, no mínimo, hidratante na pele da mama, incluindo a incisão cirúrgica (alternar hidratantes comuns com óleo de amêndoas).

Deve-se evitar a exposição das áreas operadas ao sol por 3 a 6 meses; se isso não for possível, deve-se utilizar protetor solar com fator de proteção acima de 30;

Proteger o novo mamilo com 3 gazes com um orifício aberto no meio. Isto impede que o novo mamilo seja “comprimido” pelo soutien. As gazes devem ser retiradas para tomar banho, ou trocadas após o banho;

IMPORTANTE: – evitar deitar de bruços, para não comprimir a mama.

Procedimento para esvaziar o dreno

lavar as mãos;

abrir a tampa do sistema coletor;

desprezar o conteúdo em um copo descartável;

fazer pressão negativa no sistema coletor (retirar todo o ar do recipiente);

fechar a tampa;

medir e anotar horário e volume com uma seringa de 20 ml;

fazer pressão negativa no sistema coletor a cada 12 horas.

O que é normal no normal no pós operatório?

São situações que surgem no período pós-operatório e não interferem no resultado. São exemplos: equimoses (manchas roxas na pele), edema (inchaço), pequenos hematomas que podem ser reabsorvidos, drenados espontaneamente ou necessitar de drenagem cirúrgica. Extrusão de pontos (por volta de 3 semanas), deiscência de pontos (abertura de um ponto ou outro), parestesias, que são alterações temporárias da sensibilidade ou formigamento.

ATENÇÃO:  Sangramentos copiosos ou variações volumétricas exageradas (aumento da mama) (na maioria das vezes unilateral) e de modo súbito, acompanhados de dor, devem ser imediatamente comunicados ao seu médico. Pode se tratar de um hematoma súbito e deve ser avaliado prontamente.