Clínica ProPlastica

Implante de Silicone nos seios: dúvidas frequentes

Implante de Silicone nos seios: dúvidas frequentes

O desejo de aumentar o tamanho dos seios está na lista de prioridades de muitas mulheres brasileiras e o implante de silicone é uma boa solução. Se sentir bonita, melhora a autoestima e faz muito bem!

É comum surgirem muitas dúvidas sobre este assunto, afinal, envolve uma mudança de um aspecto do seu corpo que está te incomodando há algum tempo e a expectativa com relação ao resultado é enorme. Trouxemos para este artigo os principais questionamentos de pacientes que atendemos no dia a dia em nossa clínica, com o objetivo de informar e esclarecer sobre o implante de silicone.

 

1 – Como escolher o tamanho e a forma da prótese a ser utilizada?

O cirurgião plástico juntamente com a paciente deverá avaliar o conjunto de fatores que irá implicar na decisão final sobre o tamanho e formato da prótese. Para que o resultado fique harmônico é necessário analisar a altura, peso, biotipo, tamanho do tórax e também as expectativas e desejos da paciente.

Para que a paciente se sinta mais segura sobre a decisão tomada, é possível fazer alguns testes utilizando diferentes próteses sob o sutiã. É importante ficar atenta ao uso de recursos como imagens no computador que simulam o resultado final ou fotos de antes e depois de outros pacientes, pois podem criar falsas expectativas. Tenha sempre em mente que cada paciente é única e terá um resultado diferente, mesmo que usem próteses idênticas.

 

2 – Como as próteses ficarão posicionadas nos seios?

Durante o processo cirúrgico as próteses poderão ser colocadas atrás da glândula mamária, abaixo do músculo peitoral maior ou atrás da fáscia (tecido fibroso sobre o músculo) do músculo peitoral maior. O Cirurgião deve avaliar as vantagens e desvantagens de cada posição  aplicada ao caso específico do  paciente e após uma discussão cuidadosa, decidir junto com a paciente a melhor técnica a ser utilizada.

 

3 – Esta cirurgia deixa cicatriz? Qual o tamanho dela?

Toda cirurgia deixa cicatriz onde é realizado o corte na pele, inclusive o implante de silicone. As vias de acesso cirúrgico para o implante de silicone podem ser a trans axilar (pelas axilas), pelo sulco inframamário (parte inferior dos seios) ou ainda pelas aréolas (metade inferior das aréolas) , onde ficarão as cicatrizes.

Geralmente, o tamanho da cicatriz do implante de silicone varia de 4 a 5 cm. Esse é o tamanho do corte necessário para introdução do silicone na mama. Cada paciente tem uma evolução diferente com relação à cicatriz, podendo, em alguns casos, com o passar do tempo tornar-se bem discreta.

 

4 – O tom de pele pode influenciar na aparência da cicatriz?

Geralmente, independente do tipo de técnica utilizada, pessoas de pele clara apresentam uma menor tendência de desenvolver qualquer tipo de cicatrização inestética do que pessoas de pele morena ou descendentes de orientais.

 

5 – A prótese de silicone pode eliminar a flacidez nas mamas?

Em muitos casos, sim. Quando há pequena flacidez nos seios, a prótese aumenta o volume da mama e faz o preenchimento. Já nos casos de grande flacidez, poder ser indicado que a paciente faça uma mastopexia com prótese, a fim de retirar o excesso de pele e consequentemente levantar as mamas. Veja quais são as diferenças da Mamoplastia e Mastopexia

 

6 – A prótese de silicone pode deixar estrias?

Normalmente, as estrias surgem quando há o rompimento das fibras da pele. Portanto, o seu surgimento ou não irá depender da qualidade da pele de cada pessoa. Em geral, a prótese com volume médio ou pequeno de acordo com o caso da paciente não promovem distensão com grande intensidade na pele, mas as prótese consideradas grandes para um determinada pessoa sim, ou seja, quanto maior a prótese maior o risco de aparecimento de estrias.

 

7 – A prótese de silicone dificulta a amamentação?

O implante de silicone é feito de um gel coeso, que não vaza nem escorre, revestido por outra cápsula de silicone. Colocado corretamente por um médico cirurgião plástico habilitado e capacitado, a prótese ficará abaixo da glândula mamária ou abaixo do músculo peitoral. Sendo assim, a glândula ficará livre para produção de leite. Leia mais sobre amamentação e prótese de silicone.

 

8 – Qual o tempo de recuperação após a cirurgia?

Implantar prótese nas mamas é um procedimento cirúrgico, é invasivo e requer cuidados. Portanto, o organismo precisará de tempo para se recuperar da melhor maneira possível. Por isso, é importante respeitar e valorizar o tempo de repouso relativo dos braços.

Como cada mulher responde de maneira diferente ao procedimento, não podemos definir um prazo ideal de recuperação, o que podemos falar é que gira em torno de 30 dias de uma maneira geral. Obedecer às orientações do seu cirurgião é a melhor opção para uma boa recuperação, respeitando os limites do corpo.

 

9 – Qual o tempo de internação e qual anestesia será utilizada?

Normalmente, o período de internação é de menos de um dia. Mas, cada caso tem suas diferenças. Portanto, somente após a cirurgia o médico poderá fazer uma avaliação precisa sobre o tempo necessário que a paciente permanecerá internada. Geralmente, a anestesia utilizada é a local ou peridural, ambas associadas com a sedação, mas pode ser feita também com anestesia geral. O cirurgião juntamente com o anestesista avaliará a melhor opção de acordo com a experiência deles e com o perfil do paciente.

 

10 – O pós-operatório é dolorido?

A sensibilidade à dor é algo bem particular de cada indivíduo, mas estará presente, mesmo que de baixa intensidade, nos primeiros dias de pós-operatório. A boa notícia é que com o uso correto dos analgésicos prescritos é possível sentir apenas incomodo ou dor leve ao movimentar os braços, principalmente nos 3 primeiros dias que é o momento mais crítico. Dependendo da recuperação da paciente a dor desaparece em poucos dias. Os implantes colocados atrás do músculo peitoral costumam doer mais comparado com o subglandular ou subfascial.

 

11 – É possível detectar um tumor em mamas com implantes?

Os exames físico, ultrassom das mamas ou mamografia podem ser realizados normalmente em pacientes com prótese, após a liberação do cirurgião plástico. E, portanto, é possível sim identificar um câncer. A prótese quando localizado abaixo do músculo facilita a visualização de alterações das mamas comparada com submuscular ou subfascial. Mas como qualquer uma dessas localizações a prótese sempre estará abaixo do tecido glandular ( localização do câncer de mama) ela não impede o diagnóstico do câncer. A paciente deve informar ao seu médico ginecologista sobre o uso do silicone, para que ele acompanhe adequadamente  e caso seja percebida qualquer alteração peça um exame mais detalhado (mamografia, ultrassom ou ressonância magnética).

 

12 – Qual a validade da prótese?

Quem faz o uso de prótese de silicone nos seios, precisa manter o controle com o ginecologista como todas as mulheres, seja semestral ou anual. Diante de qualquer desconforto fora dessa data, deve procurar um médico (ginecologista, mastologista ou cirurgião plástico). É possível acompanhar a situação da prótese através de exames de rotina, como o ultrassom e a mamografia, e em caso de dúvida podemos lançar mão da ressonância magnética. Todos eles são exames que auxiliam a definir quando trocar a prótese de silicone. Portanto não existe uma validade com data específica, 10 ou 20 anos, deve ser trocada quando houver alguma alteração que justifique essa ação ( rompimento da prótese, contratura capsular ou até mesmo por vontade de mudança estética) e isso pode ocorrer em qualquer data.

Em alguns casos, a paciente pode ter a prótese há mais de 20 anos e não apresentar incômodos ou alterações que indiquem a necessidade de troca.

 

Para mais detalhes, fique à vontade para marcar uma consulta. Escreva-me através das redes sociais:
Instagram: @ProPlastica
Facebook: @ProPlasticaBH

Dra. Alexandra Rezende
Cirurgiã Plástica em Belo Horizonte – Hospital Dia ProPlastica
CRM: 50932 / RQE: 36056